Ministério libera R$ 2,3 milhões para pesquisas sobre ELA

ELA – Esclerose Lateral Amiotrófica

No dia em que foi anunciada a morte do físico Stephen Hawking, aos 76 anos, que sofria de Esclerose Lateral Amiotrófica, o Ministério da Saúde anunciou que investirá R$ 2,3 milhões para encontrar novas alternativas terapêuticas para o tratamento da doença, além de buscar melhorias na qualidade de vida dos pacientes.

A ELA é provocada pela degeneração progressiva de neurônios motores, responsáveis pelo controle da musculatura do corpo. Pacientes com a doença sofrem paralisia gradual e morte precoce como resultado da perda de capacidades cruciais, como falar, movimentar, engolir e até mesmo respirar.

Mesmo depois de 130 anos do primeiro diagnóstico, a doença não tem cura. Apesar de rara, há atualmente no Brasil 14 mil pacientes diagnosticados.

Atualmente, o único tratamento disponível é o Riluzol, que age para diminuir o desconforto dos pacientes.

Medicamentos e dispositivos

Os recursos anunciados pelo Ministério serão destinado à Universidade Federal de Alagoas e serão usados na construção de um laboratório de pesquisas com células-tronco, que permitirá a investigação de novos medicamentos, além de identificar novos produtos e aparelhos para os pacientes que sofrem da ELA.

Desde 2009, o SUS oferece assistência e medicamentos gratuitos aos pacientes com ELA. Em 2014, foi instituída a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras, incluindo a Esclerose Lateral Amiotrófica.

No Brasil, 277 hospitais estão habilitados como Unidade de Assistência ou Centro de Referência de Alta Complexidade em Neurologia/Neurocirurgia. O SUS também oferece 44 procedimentos (clínicos e de reabilitação) para doenças relacionadas à esclerose (múltipla e/ou lateral).

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

%d blogueiros gostam disto: