Connect with us

Educação & Cultura

O que é polarização e por que é prejudicial à democracia?

É essencial lembrar que, na grande maioria dos casos, as desavenças acontecem entre pessoas que têm boas intenções e buscam uma sociedade melhor.

Quando se fala da política contemporânea, é muito comum ouvirmos falar também de polarização. Mas, afinal, o que é polarização e por que ela é tão abordada?

Na política, o significado estrito de polarização é simplesmente a divisão de uma sociedade em dois polos a respeito de um determinado tema.  Porém, essa palavra tem sido usada de um modo mais negativo: polarização é como chamamos a disputa entre dois grupos que não dialogam entre si, que se fecham em suas convicções e não estão dispostos ao diálogo.

É esse sentido do termo que vamos usar neste artigo, no qual vamos entender o tema desde sua origem até suas consequências para a democracia.

De onde surge a polarização?

Apesar de ser um fenômeno muito falado hoje em dia, o melhor modo para começarmos a entender a polarização é olhar para trás. Na verdade, bem para trás, em nosso passado como espécie.

Como qualquer outro animal, o corpo do ser humano se modificou ao longo do tempo com um objetivo claro, apesar de inconsciente: adaptar-se às circunstâncias e ao ambiente para sobreviver o maior tempo possível e passar seus genes a seus descendentes. Para cumprir essa missão, algumas atitudes eram úteis e outras, nem tanto. Por exemplo, escalar uma montanha trazia riscos de se ferir e morrer; por isso, nosso cérebro desenvolveu o medo de altura, que tenta nos impedir de correr esses riscos.

Uma das estratégias mais úteis para preservar a si mesmo em tempos remotos era se juntar a outros indivíduos e formar grupos. Com a ajuda de companheiros, era mais fácil conseguir alimentos e se proteger de predadores e adversários.

Porém, existia um preço: para ser aceito em um grupo, era preciso se mostrar digno de confiança, o que por sua vez exigia lealdade. A lealdade era fundamental para que um agrupamento de indivíduos agisse modo coordenado, organizado e comprometido, aumentando, assim, a chance de sucesso na luta pela sobrevivência.

A grande questão é que a lealdade, quando levada a fundo, implica em abrir mão da própria individualidade para aceitar as normas, crenças e ideias do grupo. Afinal, em um mundo como aquele no qual nossos antepassados viveram, ser leal era mais importante do que analisar fatos e ideias de modo crítico e independente.

Com isso, podemos dizer que nosso cérebro foi programado para encontrar uma turma, se adaptar a ela, fazer dela parte de nossa identidade e manter-se fiel ao máximo possível. Dessa forma, sentimos prazer ao agir desse modo, enquanto mudar de ideia e se opor ao grupo com o qual nos identificamos é altamente desconfortável.

Mas fazia sentido: naquela época, era uma questão de vida ou morte. Nossa sobrevivência dependia de ser leal a um grupo e de tratar adversários como inimigos mortais. Hoje em dia, essa estratégia pode trazer consequências negativas.

Por que a polarização é um problema na democracia?

Se o nosso cérebro guarda, até hoje, instintos e inclinações necessários para sua sobrevivência em tempos antigos, o mundo em que vivemos atualmente é totalmente diferente daquele.

Ao longo dos séculos, a humanidade refinou sua organização, entendeu como sociedades funcionam e criou sistemas para organizar o poder de forma mais justa. Uma das inovações foi a democracia.

Por meio da democracia, não seria necessário usar a força para chegar ao poder: a disputa não aconteceria por meio da violência, mas pela discussão de ideias e apresentação de propostas para melhorar a vida de todos. Quem convencesse mais cidadãos e conseguisse mais votos chegaria aos postos de comando.

Não é à toa que a democracia vai muito além do voto. Como apontam Steven Levitsky e Daniel Ziblatt no best-seller “Como as democracias morrem”, ela requer respeito a regras comuns, reconhecimento da legitimidade dos adversários (ou seja, tratá-los como competidores legítimos dentro de uma disputa igualitária), tolerância e diálogo.

O excesso de polarização compromete todos esses quesitos. Em uma sociedade concentrada em dois lados radicalizados, adversários são vistos como inimigos, o diálogo não é incentivado – ou mesmo é condenado – e transgredir as regras parece justificável.

Quem procura se manter fora desses dois grupos, apresentando outras visões e ideias, ou mesmo quem defende que ambos os lados têm suas falhas e virtudes, é tratado como “isentão”. As alternativas que fogem às duas apresentadas acabam sendo invalidadas.

SAIBAM MAIS CLICANDO NAS MANCHETES ABAIXO:

Das redes sociais às guerras culturais

Se a tendência à polarização existe no próprio cérebro humano e nos acompanha há tanto tempo, por que esse fenômeno tem ganhado tanto destaque atualmente? Uma possível resposta é que o ambiente criado nas últimas décadas favorece essa tendência. É possível reunir alguns fatores para explicar o crescimento da polarização no mundo.

Redes sociais

O primeiro fator que podemos citar são as redes sociais. Com tanta informação disponível dentro de cada uma delas, são usados códigos para determinar quais conteúdos chegarão até nós. Esses códigos, chamados de algoritmos, favorecem os conteúdos e informações que se encaixam com a nossa visão de mundo, pois estes nos dão prazer e têm maior chance de serem consumidos.

O problema é que esse processo resulta na criação de bolhas. Cada indivíduo acaba tendo contato apenas com opiniões, notícias, artigos, vídeos e imagens que reforçam suas crenças. Pontos de vista diferentes, por outro lado, têm chance mínima de furar essa bolha e nos atingir.

O resultado: cada pessoa consolida e reforça as ideias que já tem e passa a ter mais certeza de que está certa em seus julgamentos. As visões discordantes se tornam cada vez mais estranhas, absurdas e, no ponto máximo, inaceitáveis.

Políticos e lideranças

A polarização crescente é promovida por aqueles que se favorecem dela. Políticos, partidos e grupos mais extremistas se alimentam do descontentamento e da intolerância para ganhar mais apoio a suas ideias. Afinal, medidas extremas têm maior chance de aceitação quando se vê o outro grupo como um inimigo perigoso que é preciso eliminar, ao invés de um concorrente no debate.

Além disso, quanto pior o “inimigo” parece, mais soa justificável quebrar regras. Não à toa, um estudo mostrou que a polarização favorece a ascensão de líderes populistas “iliberais”, ou seja, que têm pouco apreço às normas democráticas e às limitações de poder.

Guerra cultural

Esse termo se refere a uma mudança no debate político ocorrido nos Estados Unidos a partir da década de 1990, e posteriormente no Brasil. O foco da disputa deixou a economia e as políticas públicas e passou para questões relacionadas a cultura, costumes e comportamento.

Por exemplo: os dois lados dão menor importância a propostas concretas, como um plano de política econômica, e colocam no centro da discussão questões de cunho moral, como a descriminalização do aborto e a educação sexual em escolas. O professor e pesquisador Eduardo Wolf, autor do livro “Guerra cultural: ideólogos, conspiradores e novos cruzados”, define a guerra cultural como “uma luta pela alma da nação”.

Dois grupos, geralmente conservadores e progressistas, discordam a respeito
da identidade de seu país ou sociedade e veem o antagonista como um inimigo que precisa ser silenciado. Ou seja, a tensão e a polarização se tornam maiores.

A polarização na prática

Para entender melhor as consequências da polarização, é útil analisar como ela afeta as sociedades e seus indivíduos.

No nível individual, a ciência já descobriu que, em muitos casos, uma opinião formada sobre determinado assunto importa mais do que os fatos relacionados a ele. Isto é, evidências têm pouco poder para mudar a visão de mundo de uma pessoa. Isso acontece por meio do “raciocínio motivado”. O termo se refere ao modo como tendemos a dar mais valor a fatos e informações que reforçam nossas opiniões e menos valor àqueles que as contrariam.

Um ambiente polarizado, sem tolerância e respeito a opiniões discordantes, reforça esse comportamento. O ambiente é criado pela propensão a sermos fiéis a grupos e, por sua vez, reforça essa propensão, como num ciclo. Nesse sentido, é possível entender por que fake news se espalham com facilidade: elas se aproveitam da nossa vontade de acreditar em notícias que corroboram nossas ideias, independentemente da sua veracidade.

Lembrando o que vimos no começo deste artigo: como seres humanos, evoluímos por meio de comportamentos que aumentavam as chances de sobrevivência de nossos antepassados. E entre a sobrevivência e a verdade, nosso cérebro quase sempre escolhe a primeira opção.

A fidelidade a um grupo, principalmente quando o assunto é política, também está relacionada à identidade que assumimos. Por conta disso, é mais difícil mudar de opinião a respeito de temas políticos do que aqueles relacionados a outros campos, como a ciência. Porém, quando uma discussão científica se aproxima da política, ela também acaba sendo envolvida na polarização.

Dessa forma, vemos casos como as divergências entre eleitores republicanos e democratas a respeito da pandemia do coronavírus nos Estados Unidos. Outro exemplo foi dado pelos políticos de ambos os partidos: alguns republicanos, incluindo o presidente Donald Trump, se recusam a usar máscaras para conter o vírus. Democratas, por sua vez, têm tentado impor o uso.

Além da busca pela verdade factual, o excesso de polarização afeta também a busca por soluções para problemas da sociedade. Um debate polarizado impede as análises profundas e cheias de nuances que questões complexas, como as do mundo em que vivemos, exigem.

No Brasil, os pesquisadores Pablo Ortellado e Márcio Moretto Ribeiro identificaram uma mudança no comportamento de usuários do Facebook. Quando o assunto era política, havia, até 2013, seis principais comunidades, divididas por suas preferências e prioridades. A partir das manifestações de junho daquele ano e das eleições presidenciais de 2014, essas comunidades se dividiram em apenas dois grupos mais afastados e polarizados: progressistas e conservadores.

Em relação à política institucional, o processo decisório corre o risco de travar quando dois lados não conseguem formar acordos mínimos. Essa consequência é mais clara nos Estados Unidos, onde apenas dois partidos disputam o poder e, cada vez mais distantes, chegam a parar o país em votações fundamentais.

Por fim, como demonstram os autores do já citado “Como as democracias morrem”, a polarização, em último caso, leva à erosão das instituições e das práticas que compõem o sistema democrático, além de abrir espaço para lideranças iliberais.

A polarização tem seu lado bom?

Apesar de todas as opiniões a respeito dos efeitos deletérios da polarização, há quem a considere positiva – ou que, pelo menos, tenha aspectos benéficos. Nelson Ferreira Marques Júnior, doutor em história política do Brasil, defendeu essa posição em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo.

Segundo ele, a divisão da sociedade em dois polos distintos faz parte do desenvolvimento da democracia e não pode ser considerada um mal em si. A disputa política seria a única forma de construir conhecimento e encontrar soluções para problemas comuns. A polarização passa a ser negativa quando é “contaminada pelo ódio e pelos discursos generalistas nutridos apenas pelo senso comum”. Ou seja, enquanto ela está dentro dos “parâmetros democráticos”, não deve ser condenada.

Analisando a realidade dos Estados Unidos, o jornalista Ezra Klein, autor de “Why we are polarized”, aponta que a polarização e o crescente distanciamento entre democratas e republicanos teve uma consequência positiva: a adoção, por parte dos democratas, das chamadas pautas indentitárias, especialmente a luta contra o racismo.

Para Ezra Klein, a polarização deu força a movimentos como o Black Lives Matter, que protesta contra o racismo e a violência policial contra negros norte-americanos, e impulsionou políticos democratas a colocarem essa questão como prioridade.

Além disso, “a alternativa à polarização geralmente é a supressão”, de acordo com o jornalista. Isso vai ao encontro do que afirmou Nelson Ferreira Marques Júnior: “gerar consensos sem as polarizações é aceitar sempre o status quo”.

É possível diminuir a polarização?

A situação é desafiante, mas existem práticas que podemos adotar, em relação aos outros e a nós mesmos, para diminuir a polarização e estabelecer um diálogo saudável. Para isso, reunimos algumas dicas e conselhos dados por especialistas, divididos em duas partes.

Como educar a si mesmo

Nós somos falhos

Como sabemos, o cérebro humano pode nos enganar com facilidade. Isso não vale só para os outros, mas também para nós mesmos. Quando fazemos um julgamento ou criamos uma opinião, há sempre a chance de estarmos equivocados.

Conhecer as falhas em nossos raciocínios e visões de mundo nos torna mais abertos a argumentos discordantes, que podem inclusive nos fazer rever certos pontos e evoluir intelectualmente.

Como estou pensando?

Tão importante quanto estar atento às falhas em nossas visões e argumentos é entender como eles são construídos. Chegamos às conclusões por meio da análise de fatos e evidências? Demos pesos iguais (ou pelo menos parecidos) às opiniões divergentes sobre o assunto?

Vale lembrar de uma regra simples. Primeiro, deve-se analisar as informações, fatos e evidências, para depois formar uma opinião. É pensar como um cientista, que formula hipóteses a partir da análise do conhecimento disponível e coloca essas hipóteses a prova.

Também é importante ter em mente uma frase do jornalista e escritor Christopher Hitchens: “não importa o que você pensa, mas como você pensa”.

Autoconhecimento também é conhecimento.

Ler a respeito de como funciona nosso cérebro e como ele está propenso à polarização é uma forma de nos mantermos alertas às armadilhas que pregamos a nós mesmos.

Por isso, são importantes iniciativas como a série a respeito desse tema feita pelo site Wait But Why (que infelizmente está disponível apenas em inglês) e o Despolarize, projeto do Politize! para diminuir a polarização nas redes sociais.

Como conversar com os outros

As pessoas podem mudar de opinião

Ao longo deste artigo, pode ter ficado a impressão de que o convencimento por meio de fatos e argumentos sólidos é quase impossível, mas esta não é toda a verdade.

O raciocínio motivado e a lealdade a grupos têm grande influência na forma como criamos nossas opiniões, mas também é verdade que temos o desejo de manter visões corretas a respeito do mundo. Nesse sentido, evidências e consensos científicos têm sua importância e influência.

Os valores importam

Estudos mostram que uma forma eficiente de convencer quem tem opiniões discordantes não é o confronto, mas o uso dos valores da própria pessoa. Por exemplo, um conservador tem maiores chances de aceitar uma proposta progressista, desde que ela venha “embalada” em um discurso que usa os valores conservadores – e vice-versa.

Empatia é essencial

O item anterior mostra como é importante se colocar no lugar daquele com quem debatemos. Além de aumentar nossas chances de convencimento, essa atitude também nos abre para enxergarmos pontos positivos em visões diferentes.

Sem maniqueísmo

É essencial lembrar que, na grande maioria dos casos, as desavenças acontecem entre pessoas que têm boas intenções e buscam uma sociedade melhor. Ninguém deve ser considerado inimigo só por pensar diferentemente de nós. Afinal, o mundo é complexo e não se divide de forma maniqueísta, uma briga entre bem e mal.

Politize

Continue Reading
Advertisement

Relógio

Grupo do Portal Informa Paraíba (Facebook)

Portal Informa Paraíba

Fiquem bem informados em um site que escreve notícias

TWITTER DO PORTAL INFORMA PARAÍBA

www.informaparaiba.com.br

Fiquem bem informados em um site que escreve notícias.

Página do Portal Informa Paraíba (Facebook)

CIDADE7 horas ago

Movimentações Políticas: Adauto Fernandes Consegue Nomeação de Aliado em Secretaria de Conde

Politíca8 horas ago

Fortalecendo bases para 2026: Tibério lança mais uma pré-candidata, desta vez em Bayeux

CIDADE8 horas ago

Pesquisa do Procon revela variação no preço do gás de cozinha em até 17% em Santa Rita

CIDADE8 horas ago

STJ Mantém Suspensão dos Direitos Políticos de Sara Cabral

Judiciário13 horas ago

STF reconhece que uso abusivo de ações judiciais compromete liberdade da imprensa

Saúde13 horas ago

O pesquisador que pisou em cobras para estudar suas picadas

Internacional13 horas ago

Cresce na UE movimento para reconhecer um Estado Palestino

Segurança Pública13 horas ago

Lei Maria da Penha é alterada para garantir sigilo de vítimas de violência doméstica nos processos judiciais

ESTADO13 horas ago

Análise do “Dashboard dos Sonhos” mostra principais sonhos profissionais e pessoais dos estudantes da Rede Estadual

CIDADE14 horas ago

Câmaras de Vereadores de Umbuzeiro e Areia têm contas aprovadas pela 1ª Câmara do TCE

CIDADE15 horas ago

Nilvan Ferreira mobiliza juventude de Santa Rita para construção de propostas de Governo

Saúde16 horas ago

Catarata precoce sinaliza risco de demência

Saúde16 horas ago

Pesquisa descobre “gene da ansiedade” e como desativá-lo

Segurança Pública16 horas ago

Castração química: o caminho do projeto de lei aprovado sem debate na CCJ do Senado

Esporte16 horas ago

Darlan brilha e seleção brasileira masculina se vinga da Argentina na Liga das Nações de Vôlei

CIÊNCIA & TECNOLOGIA17 horas ago

Seu celular Android está lento? Uma limpeza de memória pode ajudar; veja como fazer

CIÊNCIA & TECNOLOGIA17 horas ago

5 formas de usar o ChatGPT para aumentar sua produtividade

Esporte17 horas ago

Norris teme o pior para o Mônaco devido à maior fraqueza da equipe

Judiciário17 horas ago

TSE quer investigar riscos à normalidade eleitoral, no país

CIÊNCIA & TECNOLOGIA17 horas ago

Saiba o passo a passo de como colocar assinatura digital em PDF

CIDADE2 dias ago

Situação da comunidade da Usina Santa Rita (Canaã) em Santa Rita–PB

CIDADE2 dias ago

Funjope divulga resultado de análise documental de edital das quadrilhas juninas

ESTADO2 dias ago

João Azevêdo prestigia a abertura do Salão Móvel Paraíba, no Centro de Convenções, reunindo fabricantes do setor moveleiro de 14 estados

Judiciário2 dias ago

Desembargador suspende decisão contra o município de São Mamede

Segurança Pública2 dias ago

Homem é morto em ataque a tiros no bairro do Bessa, em João Pessoa

Segurança Pública2 dias ago

Adolescente que desapareceu no mar é encontrado em área de mangue, na Paraíba

CIÊNCIA & TECNOLOGIA2 dias ago

3 aplicativos que vão te ajudar na sua produtividade

CIÊNCIA & TECNOLOGIA2 dias ago

Cookies em sites: o que são e como cibercriminosos têm usado brecha para ataques

CIÊNCIA & TECNOLOGIA2 dias ago

10 termos de IA que todos deveriam conhecer, segundo a Microsoft

CIÊNCIA & TECNOLOGIA2 dias ago

Dell World | Especialistas alertam sobre riscos da IA no trabalho

Internacional10 meses ago

Cidade alemã passa a distribuir gratuitamente filtro solar

Internacional11 meses ago

IMPRESSIONANTE – GOVERNO CANADENSE ADMITE: “Os não vacinados estavam certos sobre as vacinas de mRNA”

ENTRETENIMENTO11 meses ago

Exorcista: filme “Nefarious” é “o melhor já produzido” sobre possessão demoníaca

ENTRETENIMENTO10 meses ago

JIBÓIA

AGRICULTURA & PECUÁRIA5 meses ago

Com produtor revisando tamanho da safra, 2024 inicia cercado de incertezas para a soja

Internacional4 meses ago

Secretário-geral da ONU condena atos criminosos no Equador

CONCURSO E EMPREGO5 meses ago

Carreiras em Extinção? Veja Quais Podem Sumir

Nacional10 meses ago

CNS reconhece religiões afro como complementares ao SUS

ENTRETENIMENTO8 meses ago

Conheça Rocco, um cão mistura de rottweiler com husky siberiano: ‘Parece o Batman’

ECONOMIA5 meses ago

Calendário do Bolsa Família 2024: saiba quando você vai receber

Internacional5 meses ago

Fome já é generalizada em Gaza, alerta ONU

AGRICULTURA & PECUÁRIA5 meses ago

Número de IGs cresceu 60% em quatro anos no Brasil

CIDADE5 meses ago

Polêmica em Princesa Isabel: Vereadores aprovam aumento salarial próprio e do Executivo

Saúde5 meses ago

OS PRINCIPAIS LEGUMES E VERDURAS QUE AJUDAM A PREVENIR DOENÇAS CRÔNICAS

Internacional5 meses ago

Israel quer controlar e fechar fronteira entre Gaza e Egito

Judiciário9 meses ago

Informativo destaca não exigência de provas para fixação de indenização mínima por danos morais

Judiciário8 meses ago

Entender Direito: especialistas discutem os embargos de divergência

ENTRETENIMENTO5 meses ago

HORTÊNSIAS

Educação & Cultura5 meses ago

Campina Grande entra na disputa e poderá ser escolhida para receber nova Escola de Sargentos do Exército após impasse em Pernambuco

Internacional5 meses ago

“Perdas, dor e angústia” após ataques aéreos marcam o início do ano na Ucrânia

CIÊNCIA & TECNOLOGIA5 meses ago

Vale a pena usar um gerador de conteúdo para redes sociais?

Nacional11 meses ago

Relator lê parecer sobre indicação de Cristiano Zanin ao STF; sabatina está marcada para 21 de junho

Educação & Cultura11 meses ago

Novo ensino médio precisa levar em conta realidade de alunos e municípios, aponta debate

Nacional12 meses ago

Repórter da TV Globo é agredida por segurança de Maduro após questionamento

Nacional5 meses ago

TCU pede que ministra da Saúde pague R$ 11 milhões a cofres públicos

ECONOMIA12 meses ago

Por unanimidade, TCU aprova contas do governo Bolsonaro

CIDADE12 meses ago

Vereador Marlon vence queda de braço com prefeito de Sobrado e fica com comando do Republicanos no município

ENTRETENIMENTO4 meses ago

PASSEIO MOSTRA COMO É UM BORBOLETÁRIO

Educação & Cultura11 meses ago

EXCLUSIVO: Gilson Souto Maior lança em julho ‘História da Imprensa na Paraíba’

Nacional12 meses ago

Lula volta a defender ditadura: ‘Houve muito respeito com a participação do Maduro’

Internacional2 dias ago

EVENTO EM XANGAI AJUDA A ESTREITAR INVESTIMENTOS ENTRE BRASIL E CHINA

Saúde2 dias ago

COVID-19: VÍRUS SEGUE MORTAL E REFORÇA A IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO

Judiciário2 dias ago

O NÚMERO DE JOVENS QUE DESEJAM VOTAR NAS ELEIÇÕES AUMENTA CONFORME O TSE

ECONOMIA2 dias ago

‘QUANDO ALGUÉM CONTROLA O DINHEIRO NA RELAÇÃO, CONTROLA A RELAÇÃO PROFUNDAMENTE’

Nacional2 dias ago

INUNDAÇÕES NO RS: O DESASTRE QUE MAIS ABALARÁ A ECONOMIA BRASILEIRA

Educação & Cultura3 dias ago

Senado Discute: incentivo a bibliotecas públicas e escolares

Saúde3 dias ago

ALERGIA ALIMENTAR: PROBLEMA AFETA 4 MILHÕES DE ADULTOS NO BRASIL

ENTRETENIMENTO3 dias ago

8 COISAS QUE PODEM MELHORAR SEU HUMOR E QUE NÃO ENVOLVEM DIETA OU EXERCÍCIO

Nacional3 dias ago

INUNDAÇÕES NO RS: O CHEF QUE PERDEU RESTAURANTES E FOI COZINHAR PARA DESABRIGADO

ENTRETENIMENTO3 dias ago

PIMENTA DE CHEIRO

Educação & Cultura3 dias ago

PLANETA ESTÁ VIRANDO UMA BOMBA CLIMÁTICA

ENTRETENIMENTO4 dias ago

REVOLUCIONANDO A AGRICULTURA: FLORES COMESTÍVEIS E AQUAPONIA

Saúde4 dias ago

PLANOS DE SAÚDE CANCELAM CONTRATOS DE CLIENTES ILEGALMENTE

CONCURSO E EMPREGO4 dias ago

ALERTA PARA O USO DE IA EM EXAMES DE RECRUTAMENTO

Saúde4 dias ago

FAPESP: VACINA CONTRA A GRIPE, PESQUISA CONTRA O COVID 19 E FUTURO INCERTO

Nacional4 dias ago

O VERDADEIRO TAMANHO DO DESASTRE NO RS – E AS OUTRAS CRISES QUE SE ANUNCIAM

ENTRETENIMENTO7 dias ago

DOBERMANN, O CACHORRO MAIS ASSUSTADOR

Educação & Cultura7 dias ago

A MODERNIZAÇÃO DOS COLÉGIOS AGRÍCOLAS NO PR

CIÊNCIA & TECNOLOGIA7 dias ago

GOVERNO LANÇA PORTAL CONTRA FAKE NEWS

ENTRETENIMENTO7 dias ago

DONA DE JARDIM COM MAIS DE 500 MIL SEGUIDORES COMPARTILHA CUIDADOS COM PLANTAS

Internacional7 dias ago

CIDADES DO MUNDO SOFREM COM COLAPSOS CLIMÁTICOS COMO DO RS

AGRICULTURA & PECUÁRIA7 dias ago

PRODUÇÃO DE MEL COM ABELHAS SEM FERRÃO

AGRICULTURA & PECUÁRIA1 semana ago

CAPRINOCULTURA – VALE A PENA INVESTIR?

Internacional1 semana ago

REINO UNIDO: ESTAMOS PERTO DE ESCALADA NUCLEAR

Educação & Cultura1 semana ago

BANCAS E LIVRARIAS SE REINVENTAM EM MEIO AO MERCADO DIGITAL

ECONOMIA1 semana ago

SETOR DE VAREJO APRESENTA MELHORA E PODER DE COMPRA PODE ESTAR SUBINDO

ENTRETENIMENTO1 semana ago

RECEITA DO DOCE DE MAMÃO CRISTALIZADO

Internacional1 semana ago

MONTEVIDÉU SE PREPARA PARA O AVANÇO DO MAR

ECONOMIA1 semana ago

CRISE NO VAREJO: ESPECIALISTAS ANALISAM A CRISE PERSISTENTE NO SETOR

ENTRETENIMENTO1 semana ago

CONSERVAÇÃO DO MICO LEÃO PRETO

Advertisement
Advertisement

Vejam também

Somos o Portal Informa Paraíba, uma empresa de marketing e portal de informações que oferece um noticioso com assuntos diversos. Nosso objetivo é fornecer conteúdo relevante e atualizado para nossos leitores, mantendo-os informados sobre os acontecimentos mais importantes. Nossa equipe é composta por profissionais experientes e apaixonados por comunicação, que trabalham incansavelmente para oferecer um serviço de qualidade. Além disso, estamos sempre em busca de novas formas de melhorar e inovar, para podermos atender às necessidades e expectativas de nossos clientes. Seja bem-vindo ao nosso mundo de informações e descubra tudo o que o Portal Informa Paraíba tem a oferecer. Fiquem bem informados acessando o Portal Informa Paraíba: www.informaparaiba.com.br