Connect with us

AGRICULTURA & PECUÁRIA

Senado aprova projeto que acelera registro de defensivos agrícolas

De autoria do ex-senador e ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi, o projeto dos defensivos tramitava há mais de 20 anos no Congresso

O Senado Federal aprovou nesta terça-feira (28), em votação simbólica, o Projeto de Lei (PL) 1459/22, que altera a legislação sobre defensivos agrícolas no Brasil.

O texto, agora aguardando sanção presidencial, foi relatado pelo senador Fabiano Contarato (PT-ES).

O texto aprovado trata de pesquisa, experimentação, produção, comercialização, importação e exportação, embalagens e destinação final e fiscalização desses produtos.

Entre as principais medidas, está a concentração da liberação de defensivos agrícolas no Ministério da Agricultura e Pecuária. No entanto, o texto mantém o poder da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de não aprovar um determinado produto.

O projeto fixa prazo para a obtenção de registros desses produtos no Brasil, com possibilidade de licenças temporárias quando não cumpridos os prazos pelos órgãos competentes, e altera a classificação explícita de produtos nocivos à saúde humana e ao meio ambiente.

A atual Lei de Defensivos Agrícolas (Lei 7.802, de 1989) será quase totalmente revogada, restando apenas alguns dispositivos.

Para Contarato, o texto atende a necessidade de atualização da legislação diante do desenvolvimento técnico e científico alcançado desde a edição da última lei.

Prazo de registro de defensivos

Para pesquisa, produção, exportação, importação, comercialização e uso o prazo máximo para inclusão e alteração de registro irá variar, conforme o caso, de 30 dias a 2 anos.

Para produtos novos são exigidos 24 meses, mas os destinados à pesquisa e experimentação poderão ser beneficiados com a emissão de um registro especial temporário, devendo a análise do pedido ser concluída em 30 dias pelo Ministério da Agricultura.

Os produtos não analisados nos prazos previstos em lei também poderão receber um registro temporário. Isso acontecerá desde que estejam registrados para culturas similares ou usos ambientais similares em pelo menos três países membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Esses países devem adotar o Código Internacional de Conduta sobre a Distribuição e Uso de Pesticidas da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Hoje o registro temporário abarca somente os produtos destinados à pesquisa ou experimentação.

Centralização

Para fiscalização e análise dos produtos para uso agropecuário, o projeto centraliza o poder decisório no Ministério da Agricultura. É essa pasta que deverá ainda aplicar as penalidades e auditar institutos de pesquisa e empresas.

Atualmente, a decisão cabe a um sistema tripartite, que congrega a pasta da Agricultura, o Ministério do Meio Ambiente, por meio do Ibama, e o Ministério da Saúde, representado pela Anvisa.

Análise de risco

A lei atual proíbe expressamente o registro de produtos com substâncias consideradas cancerígenas ou que induzam deformações, mutações e distúrbios hormonais, entre outros. Determina ainda que os testes, as provas e os estudos sobre mutação, câncer e deformação fetal devem ser realizados, no mínimo, em duas espécies animais com critérios aceitos por instituições técnico-científicas nacionais ou internacionais reconhecidas.

O projeto apenas define como proibido o registro de pesticidas, de produtos de controle ambiental e afins que apresentem risco para os seres humanos ou meio ambiente. Além disso, caberá ao Ministério da Agricultura avaliar o nível de risco do produto que se pretende registrar no país, sem limitações de ordem específica como as atuais.

Outras situações que deixam de ser proibidas na legislação brasileira se referem aos produtos para os quais o Brasil não disponha de antídotos ou de modos que impeçam os resíduos de provocar riscos ao meio ambiente e à saúde pública.

O projeto acaba ainda com a previsão de impugnação ou cancelamento de registro a partir de manifestação de entidades, como as de classe, as de defesa do consumidor, do meio ambiente e partidos políticos com representação no Congresso.

Multas e penas

O projeto aprovado aumenta os valores das multas passíveis de serem aplicadas pelo desrespeito à lei. Do máximo atual de R$ 20 mil, elas passam para de R$ 2 mil a R$ 2 milhões.

Os órgãos de registro e fiscalização definirão os valores proporcionalmente à gravidade da infração. As multas poderão ser cumulativas e em dobro na reincidência. No caso de infração continuada, a multa será diária até cessar sua causa, sem prejuízo da paralisação imediata da atividade ou de interdição.

Convênios poderão ser firmados com órgãos estaduais para a fiscalização, com repasse de parte do dinheiro das multas.

Quando a infração constituir crime ou lesão à Fazenda pública ou ao consumidor, cópia do auto de infração deverá ser enviada ao órgão competente para apuração das responsabilidades administrativa e penal.

Atualmente, a lei prevê dois crimes com pena de reclusão. O projeto manteve pena de 2 a 4 anos para quem produzir, importar, comercializar ou dar destinação a resíduos e embalagens vazias de defensivos agrícolas em descumprimento às exigências legais. No entanto, segundo o texto, não haverá pena de reclusão para casos de transporte, aplicação ou prestação de serviço relacionados às embalagens.

Outro dispositivo da legislação atual revogado pelo projeto é o crime de deixar de promover as medidas necessárias de proteção à saúde e ao meio ambiente por parte do empregador, do profissional responsável ou do prestador de serviço, que tinha pena de reclusão de 1 a 4 anos.

Por outro lado, o projeto estipula pena de reclusão de 3 a 9 anos para um crime que não está previsto na legislação atual: produzir, armazenar, transportar, importar, utilizar ou comercializar pesticidas, produtos de controle ambiental ou afins não registrados ou não autorizados.

Os agravantes variam de até um sexto ao dobro em casos como dano à propriedade alheia, dano ao meio ambiente, lesão corporal de natureza grave, ou morte.

Outras mudanças

A maior parte das modificações feitas pelo relator retiram partes ou expressões do texto. Entre elas, está a supressão do conceito de “risco inaceitável” da proibição de registro de defensivos agrícolas perigosos para a saúde humana e o meio ambiente. Para Contarato, o conceito não tem definição clara, o que poderia trazer insegurança jurídica para o processo de liberação de substâncias.

Na avaliação do relator, a retirada do termo não trará prejuízos à futura lei, uma vez que o projeto especifica, em outro trecho, que será proibido o registro de defensivos agrícolas ou produtos de controle ambiental quando permanecerem inseguros, mesmo com a implementação das medidas de gestão de risco.

Foi retirada do projeto a figura da anuência tácita, que abriria a possibilidade para concessão de registro e comercialização no país de moléculas que não foram avaliadas pelos órgãos brasileiros competentes.

De acordo com a Embrapa, o Brasil consome anualmente mais de 300 mil toneladas de produtos que têm defensivos agrícolas em suas composições. As regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste usam 70% desse montante. As culturas que mais usam defensivos agrícolas são a soja, o milho, frutas cítricas e cana de açúcar.

Sanção presidencial

O texto aprovado pelo Senado segue agora para sanção presidencial.

O presidente Lula já se manifestou favorável ao projeto, mas ainda não se sabe se ele fará alguma modificação antes de sancionar a lei.

De autoria do ex-senador e ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi, o projeto tramitava há mais de 20 anos no Congresso Nacional.

Repercussão

De acordo com a senadora Tereza Cristina (PP-MS), coordenadora política da Frente Parlamentar da Agropecuária no Senado, a modernização da lei é uma vitória para o setor.

Ela ressaltou que o resultado traz benefícios não apenas para os grandes produtores, mas também para os pequenos, promovendo avanços em termos de inovação tecnológica e sustentabilidade.

“Vitória para o agro! Todos têm a ganhar, produtores de todos os tamanhos. E o Brasil se insere ainda mais, com esse projeto, na política moderna de inovação, tecnológica e sustentabilidade”, destacou a senadora.

Presidente da FPA, o deputado Pedro Lupion (PP-PR), ressalta que o projeto atende às expectativas do setor agropecuário. Lupion esclarece que a articulação da Bancada no Congresso Nacional foi determinante para avançar no texto.

“Eram quatro pontos principais de dúvidas que tínhamos. Além do nome, a análise de risco, a questão da reavaliação e do registro temporário. Conseguimos avançar nesses quesitos e fizemos um esforço para que o texto não precise voltar à Câmara dos Deputados”, frisou.

Texto não é ideal

Vice-presidente da FPA no Senado, o senador Zequinha Marinho (Podemos-PA), disse que o texto não ficou dentro do ideal, mas ficou o texto possível para o fortalecimento da competitividade do Brasil no cenário global do setor agropecuário, permitindo acompanhar os avanços de outros importantes competidores mundiais.

“A aprovação desse projeto representa um marco para a agricultura brasileira. Trata-se de uma conquista que impactará positivamente desde os pequenos agricultores até os grandes, possibilitando o acesso a tecnologias mais avançadas e produtos menos agressivos ao meio ambiente”, enfatizou o senador.

“Para quem não conhece o tema, hoje demora quase 12 anos para aprovar uma nova molécula no Brasil. Enquanto a agricultura caminha a passos largos, os pesticidas não acompanham esse processo e, por isso, não impulsionam a produção de alimentos”, finalizou o senador Luís Carlos Heinze (PP-RS).

Continue Reading
Advertisement

Relógio

Grupo do Portal Informa Paraíba (Facebook)

Portal Informa Paraíba

Fiquem bem informados em um site que escreve notícias

TWITTER DO PORTAL INFORMA PARAÍBA

www.informaparaiba.com.br

Fiquem bem informados em um site que escreve notícias.

Página do Portal Informa Paraíba (Facebook)

Politíca49 segundos ago

Estratégia em debate: possíveis alterações nas prévias do PT em João Pessoa

Esporte1 hora ago

Botafogo-Pb vence o Serra Branca e avança às semifinais

Internacional6 horas ago

Papa Francisco sobre a ideologia de gênero: “Pior perigo”

Judiciário6 horas ago

Barroso reserva sessão para pauta econômica de R$ 516,2 bilhões

Judiciário7 horas ago

STF analisará pedido de traficante Pancadão para reaver R$ 10 milhões

CIDADE1 dia ago

Reconhecendo falha, PCdoB de Santa Rita se reúne com Nicola

CIDADE1 dia ago

“Greve de Professores em Santa Rita: Sindicato emite nota condenando a gestão de Panta por sua ‘postura autoritária'”

Judiciário1 dia ago

Por 5 votos a 2, TRT determina afastamento imediato de Buega Gadelha da presidência da FIEP

Esporte2 dias ago

Ayrton Lucas assume protagonismo e larga na frente de Viña no Flamengo

Esporte2 dias ago

Retrospectiva SUPER LUTAS: Assista aos melhores e mais brutais nocautes do mês de fevereiro

Esporte2 dias ago

Medvedev brilha rumo à semifinal em Dubai e mantém a defesa do título viva

Esporte2 dias ago

Com drama e gol no fim, Campinense bate Nacional e respira no Paraibano

Esporte2 dias ago

F1: Análise dos ritmos das equipes após o primeiro dia de treinos no Bahrein

Saúde2 dias ago

ALZHEIMER É UM TIPO DE Diabete? ESTUDOS INVESTIGAM

Educação & Cultura2 dias ago

DIGRESSÕES SOBRE O QUE DEVE ACONTECER ATÉ O FINAL DESTE SÉCULO

ENTRETENIMENTO2 dias ago

AULA 1 – JORNADA 3 PILARES DO CULTIVO DE PLANTAS EM VASOS

Judiciário2 dias ago

CONTRATO DE ALUGUEL: COMO NÃO PAGAR MULTA

Internacional2 dias ago

2 ANOS DA GUERRA NA UCRÂNIA: A VIDA NO VILAREJO QUE FICOU POVOADO POR ÓRFÃOS

AGRICULTURA & PECUÁRIA2 dias ago

Fim da tarifa antidumping na China deve ampliar exportações de frango do PR

AGRICULTURA & PECUÁRIA2 dias ago

Pesquisa mapeia 2,3 milhões de bovinos, 41% do gado confinado no País em 2023

AGRICULTURA & PECUÁRIA2 dias ago

Baixa de Chicago e alta do dólar: veja influência na soja brasileira

AGRICULTURA & PECUÁRIA2 dias ago

Lavouras de milho se recuperam na região de Soledade

AGRICULTURA & PECUÁRIA2 dias ago

Avanço da colheita no Brasil e falta de demanda pela soja americana ajudam a pressionar cotações da soja em Chicago

AGRICULTURA & PECUÁRIA2 dias ago

Representantes do governo federal acompanham produção de extrativistas de babaçu do Médio Mearim

Internacional2 dias ago

Por que os agricultores têm tanta influência política na França

Internacional2 dias ago

Como megajulgamento do chefe do tráfico mudou a Holanda

Internacional2 dias ago

Moldávia: o próximo alvo de Putin?

Internacional2 dias ago

Parlamento Europeu aprova Lei de Restauração da Natureza

Internacional2 dias ago

Marinha alemã impede ataque de drones dos rebeldes houthis

Internacional2 dias ago

Milei proíbe linguagem inclusiva no governo da Argentina

Internacional7 meses ago

Cidade alemã passa a distribuir gratuitamente filtro solar

Internacional9 meses ago

IMPRESSIONANTE – GOVERNO CANADENSE ADMITE: “Os não vacinados estavam certos sobre as vacinas de mRNA”

Segurança Pública11 meses ago

IMAGEM FORTÍSSIMA: Vídeo mostra momento em que aluno mata professora a facadas

Judiciário10 meses ago

Escravizados

ENTRETENIMENTO8 meses ago

Exorcista: filme “Nefarious” é “o melhor já produzido” sobre possessão demoníaca

ENTRETENIMENTO7 meses ago

JIBÓIA

CIÊNCIA & TECNOLOGIA11 meses ago

DarkWeb, DeepWeb e DarkNet: qual a diferença?

CIÊNCIA & TECNOLOGIA11 meses ago

Como ver os Stories anonimamente no Instagram

Nacional7 meses ago

CNS reconhece religiões afro como complementares ao SUS

Segurança Pública11 meses ago

Adulteração de chassi de reboques está mais próximo de se tornar crime

Nacional11 meses ago

Advogado de Adélio Bispo recebeu R$ 315 mil do PCC, segundo inquérito da PF

ENTRETENIMENTO5 meses ago

Conheça Rocco, um cão mistura de rottweiler com husky siberiano: ‘Parece o Batman’

CIÊNCIA & TECNOLOGIA11 meses ago

Novo botão ágil do YouTube Music baixa até 200 músicas de uma vez

CIDADE10 meses ago

Sapé: ex-candidato a prefeito Luizinho, vice e coligação são condenados a pagar R$ 300 mil por infringir norma eleitoral e sanitária

Nacional10 meses ago

Bomba: Alexandre de Moraes monitorava todos os passos de funcionários do gabinete de Bolsonaro e da primeira-dama desde 2021, diz Folha

AGRICULTURA & PECUÁRIA2 meses ago

Com produtor revisando tamanho da safra, 2024 inicia cercado de incertezas para a soja

Nacional11 meses ago

Exclusivo: imagens mostram baixo contingente de segurança no Planalto e atuação do GSI no 8 de janeiro

Nacional10 meses ago

Lira manda novo recado ao governo Lula: “grande resistência entre os parlamentares”

Judiciário6 meses ago

Informativo destaca não exigência de provas para fixação de indenização mínima por danos morais

CONCURSO E EMPREGO2 meses ago

Carreiras em Extinção? Veja Quais Podem Sumir

Judiciário5 meses ago

Entender Direito: especialistas discutem os embargos de divergência

ENTRETENIMENTO12 meses ago

COMO ELIMINAR COCHONILHA DE RAIZ DE PLANTAS EM VASO

Internacional2 meses ago

Secretário-geral da ONU condena atos criminosos no Equador

Internacional2 meses ago

Fome já é generalizada em Gaza, alerta ONU

ECONOMIA2 meses ago

Calendário do Bolsa Família 2024: saiba quando você vai receber

CIDADE2 meses ago

Polêmica em Princesa Isabel: Vereadores aprovam aumento salarial próprio e do Executivo

AGRICULTURA & PECUÁRIA2 meses ago

Número de IGs cresceu 60% em quatro anos no Brasil

Judiciário11 meses ago

TST valida vínculo de emprego entre vendedora e lotérica de jogo do bicho

CIÊNCIA & TECNOLOGIA11 meses ago

Andrômeda vai colidir com a Via Láctea: devemos nos preocupar?

Segurança Pública11 meses ago

Projeto determina a apreensão de todos os bens usados em crime ambiental

Saúde2 dias ago

ALZHEIMER É UM TIPO DE Diabete? ESTUDOS INVESTIGAM

Educação & Cultura2 dias ago

DIGRESSÕES SOBRE O QUE DEVE ACONTECER ATÉ O FINAL DESTE SÉCULO

ENTRETENIMENTO2 dias ago

AULA 1 – JORNADA 3 PILARES DO CULTIVO DE PLANTAS EM VASOS

Judiciário2 dias ago

CONTRATO DE ALUGUEL: COMO NÃO PAGAR MULTA

Internacional2 dias ago

2 ANOS DA GUERRA NA UCRÂNIA: A VIDA NO VILAREJO QUE FICOU POVOADO POR ÓRFÃOS

ENTRETENIMENTO3 dias ago

OS ENCANTOS DO BORDADO POLONÊS

AGRICULTURA & PECUÁRIA3 dias ago

PÉ-DURO: O GADO QUE DESAFIOU O SERTÃO BRASILEIRO

CIÊNCIA & TECNOLOGIA3 dias ago

EUA VOLTAM À LUA MAIS DE 50 ANOS DEPOIS COM POUSO DE MÓDULO ESPACIAL

ENTRETENIMENTO3 dias ago

CINCO DADOS FASCINANTES SOBRE ORQUÍDEAS

Judiciário3 dias ago

A NOVA CARTEIRA DE IDENTIDADE NACIONAL E O QUE MUDA COM A NUMERAÇÃO UNIFICADA

AGRICULTURA & PECUÁRIA3 dias ago

CISTERNAS GARANTEM SEGURANÇA HÍDRICA NO CAMPO

AGRICULTURA & PECUÁRIA3 dias ago

BRASIL É EXEMPLO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PRODUZIDOS COM TECNOLOGIAS SUSTENTÁVEIS

Saúde5 dias ago

VARIANTES DA DENGUE EM CIRCULA PELO BRASIL

Nacional5 dias ago

CENSO 2022: COLETA DE ESGOTO ATENDE 62% DOS BRASILEIROS

Educação & Cultura5 dias ago

ESCOLAS SUECAS REDESCOBREM LIVROS – E ALUNOS SE SURPREENDEM

ENTRETENIMENTO5 dias ago

BLOQUEIE AS PRAGAS

Saúde5 dias ago

AEDES AEGYPTI: MOSQUITO TRANSMISSOR DA DENGUE PODE INFECTAR PESSOAS DIRETAMENTE

CIÊNCIA & TECNOLOGIA6 dias ago

PETROBRAS: PROJETO PIONEIRO QUE SEPARA GÁS CARBÔNICO E PETRÓLEO NO FUNDO DO MAR

ECONOMIA6 dias ago

BRASIL REGISTRA ALTA DEPENDÊNCIA EM COMMODITIES NA ECONOMIA

ENTRETENIMENTO6 dias ago

TOMATE, PIMENTA E PIMENTÃO PLANTADOS COM O QUE IRIA PARA O LIXO

ECONOMIA6 dias ago

ECONOMIA DA SOLIDÃO: CRESCE MERCADO DE MAIS DE UM BILHÃO DE PESSOAS

Saúde6 dias ago

COMO ‘RECONFIGUREI’ MEU CÉREBRO EM SEIS SEMANAS

Saúde2 semanas ago

DENGUE: PREOCUPAÇÃO EM ÁREAS RURAIS CRESCE COM DISPARADA DE CASOS

ECONOMIA2 semanas ago

AUMENTO DE ARRECADAÇÃO E AJUDA PARA META FISCAL DO PAÍS

ECONOMIA2 semanas ago

GOVERNO AVALIA LIBERAR UMA NOVA FORMA DE USO DO FGTS

Saúde2 semanas ago

NOMOFOBIA: DEPENDÊNCIA DO USO DO CELULAR JÁ ATINGE IDOSOS

Saúde2 semanas ago

DENGUE: INFECTOLOGISTA TIRA DÚVIDAS SOBRE VACINA, REPELENTES E SINTOMAS

Judiciário2 semanas ago

CHEGOU A HORA DE COMBATER OS ULTRAPROCESSADOS NO BRASIL

CIÊNCIA & TECNOLOGIA2 semanas ago

ENTRA EM VIGOR A LEI EUROPEIA QUE REGULAMENTA TODAS AS PLATAFORMAS DIGITAIS

ENTRETENIMENTO2 semanas ago

PIERNIKI DOMOVE – A BOLACHA DE MEL POLONESA

Advertisement
Advertisement

Vejam também