Connect with us

Educação & Cultura

Como fazer a avaliação diagnóstica nos Anos Finais do Ensino Fundamental

Especialista e educadores compartilham experiências e sugestões para realizar a verificação inicial das aprendizagens dos alunos no início do ano letivo

É interessante que a avaliação diagnóstica identifique não só o que é oferecido pela escola, mas também o que os alunos trazem de fora como referências e conhecimentos

A avaliação diagnóstica deve identificar as lacunas e os avanços nas aprendizagens dos alunos. Na volta às aulas, especialmente, traz informações essenciais para o professor planejar os passos seguintes. Apesar disso, ela precisa ser uma constante durante todo o ano.

“A avaliação diagnóstica deve acontecer várias vezes. A cada novo trabalho ou objeto de conhecimento, precisamos de um diagnóstico”, diz Kátia Chiaradia, professora e integrante do Time de Formadores da NOVA ESCOLA. Ela salienta a diferença entre essa avaliação, que ocorre no início de cada sequência de atividades, e a avaliação processual que acontece durante o desenvolvimento das ações.

A diagnóstica não tem um formato único. Ela pode ser pensada em estilo de jogo, com metodologias ativas, roda de conversa, ou até ter um modelo mais próximo das provas. Cada escola, rede de ensino e professor tem sua forma de fazer. O fundamental é garantir a coleta de informações que vão permitir traçar o perfil da turma, o que os estudantes já sabem e o que ainda precisam desenvolver. Esses dados serão utilizados posteriormente para orientar o planejamento. 

“Algo importante a ser considerado nos Anos Finais é que os alunos já lidam com mais informações fora da escola e têm mais referências culturais que, inclusive, podem ser utilizadas dentro da escola. É interessante que a diagnóstica veja não só o que é oferecido pela escola, mas também o que eles trazem de fora”, comenta Fernanda Nunes, coordenadora pedagógica e formadora de professores da NOVA ESCOLA para temáticas de  recomposição de aprendizagens e Educação para Relações Étnico-Raciais (ERER).

Sugestões para nortear a avaliação diagnóstica nos Anos Finais

Educadores compartilham três pontos fundamentais. Confira:

1. Olhe para o socioemocional. Não podemos pensar o cognitivo sem dar espaço para o emocional. Por isso, no diagnóstico inicial (ou pelo menos em algum momento no início do ano) é importante que o professor entenda como estão os alunos. “Ampliar o olhar para o aluno, não focar só nos conteúdos específicos. Ir além de verificar se ele sabe ler e escrever e o que é feudalismo, por exemplo”, recomenda Ailton Luiz Camargo, professor de História nos Anos Finais na Escola Municipal Zilma Thibes Mello, em Iperó (SP).

2. Tenha cuidado ao elaborar a atividade. Kátia sugere que o professor crie organizadores prévios. “São informações que ajudam o aluno a lembrar o que ele sabe. Não é para facilitar para o aluno, pois quem não sabe vai continuar não sabendo”, explica. Isto é, em vez de um enunciado como: “Identifique o adjetivo na frase x”, dê um contexto antes. Por exemplo: “Considerando que adjetivos são estruturas que dão características para um substantivo, encontre qual é o adjetivo na frase x”. “No lugar de perguntar o que é tal coisa, ajude o aluno a organizar o pensamento, internalizar uma informação e fazer a pergunta. [É diferente de] provar se sabe ou não”, resume a especialista.

3. Entenda as referências dos alunos. “Estudantes de Anos Finais têm maior autonomia, eles conseguem ter mais informações do mundo sem a mediação da escola”, afirma Kátia. Por isso, entender o que ele está consumindo de produções culturais ou o que sabe sobre algum assunto pode ser aproveitado em sala de aula.

Uma outra forma de fazer diagnósticos

Durante o ano, o professor Ailton utiliza as avaliações diagnósticas a cada início de projeto ou temática. Para fazer essa verificação no início do ano, ele usa a estratégia de rotação por estações. Os principais pontos que observa nesse momento são a concepção dos estudantes do que é História, os conhecimentos prévios e o repertório cultural que eles têm.

Em 2022, com a turma do 6º ano, por exemplo, o educador dividiu a sala em quatro estações. Uma delas para debater política e as expectativas dos alunos para a eleição; outra sobre esporte, em vista da Copa do Mundo daquele ano; a terceira, para conversar a respeito de produções culturais e novidades; e uma última estação para discutir a pandemia e o que a turma pensava em relação ao futuro.

Em cada uma, havia um aluno voluntário para conduzir a conversa, que já tinha sido orientado previamente pelo professor. “Eu senti que, quando eles falavam de política, faltava fundamentação histórica, tinha muita questão de fake news. Por isso, a partir desse diagnóstico pensei em fazer um projeto a partir do que vi nessa estação”, conta o educador. 

Além desse momento de conversa, ele também levou alguns textos, reportagens e documentos históricos para trazer questões que mobilizassem os conhecimentos prévios dos alunos. Para isso, ofereceu o contexto com informações importantes e fez perguntas para ver o que a turma entendia. O professor exibiu ainda um vídeo e pediu para que analisassem. 

O professor Ailton ainda  aproveita os interesses dos alunos para traçar relações com o seu componente. Se ele identifica que a turma gosta de determinado desenho animado, por exemplo, ele pode pensar em um projeto inspirado nessa referência que permita desenvolver habilidades previstas para aquele ano. “Penso meus projetos em cima disso para motivar os estudantes. Meu desafio é pegar essas referências e fazer o link com o meu currículo de História.”

Organização do saber 

Em Maceió (AL), Elisa Vilalta faz a avaliação diagnóstica com o objetivo de realizar uma sondagem dos conhecimentos prévios para ver se os alunos estão preparados para seguir adiante e também para evitar o retrabalho. “Se o professor supõe que a turma está preparada para algo e não verifica se ela realmente está, será preciso voltar, planejar de novo e repetir a aula”, explica ela que é professora de História dos Anos Finais na rede municipal e atualmente trabalha como coordenadora pedagógica. 

Uma estratégia já utilizada por ela que apresentou resultado bastante positivo foi a da proposta da elaboração de mapas mentais, que também pode ser adaptada para outros componentes. O diagnóstico foi feito no início do ano com grandes temas com os quais os alunos já haviam trabalhado no ano interior. Por exemplo, no início do 9º ano, costuma-se estudar o fim do Império Brasileiro. Antes disso, é preciso que eles saibam, entre outros pontos, o que é um império e quem foi o primeiro imperador.

A professora Elisa propôs algumas questões e, divididos em grupos, os alunos organizaram em um cartaz definições, nomes, períodos, principais feitos e motivos. 

“É legal fazer em grupo para tirar a ‘temperatura’ do todo. Cada um tem uma função: repórter (escreve), facilitador (que vai ler a tarefa e verificar se todo mundo entendeu), harmonizador (garante que todos participem), captador de recursos (pega e distribui os materiais). Com essa técnica de papéis operacionais todos trabalham juntos e garantem que o trabalho seja feito”, conta ela.

No final, foi realizado um momento de compartilhamento no qual os grupos exibiram seus murais e apresentaram não só o trabalho, mas também como foi o processo. A atividade foi feita na sala porque o objetivo não era realizar uma atividade de pesquisa online ou de consulta ao caderno do ano anterior. Se o aluno não lembra sozinho o que está sendo perguntado, mas lembra porque um colega comentou, a tarefa continua sendo válida.  

Elisa também propõe que os alunos organizem o que ela chama de “rotina de pensamento”. Ela distribui post-its coloridos para todos e eles organizam os conhecimentos no quadro em três colunas: o que eu sei, o que aprendi agora e o que quero saber mais. 

Ativando conhecimentos com a ajuda de jogos

Linaldo de Oliveira é professor de Ciências Naturais na EMEF Iraci Rodrigues de Farias Melo, em Mogeiro (PB). Ele foi tetracampeão do Prêmio Educador Nota 10 e foi eleito Educador do Ano em sua 24ª edição. Nas avaliações diagnósticas, gosta de utilizar jogos para resgatar a aprendizagem. 

Um dos modelos utilizados por ele é o do Show do Milhão, com perguntas de múltipla escolha organizadas em slides com a identidade visual do programa, que foi sucesso na TV no início dos anos 2000. O professor seleciona temas que os alunos já estudaram no ano anterior e organiza entre toda a turma uma experiência com a mesma estrutura do programa, com apresentador, perguntas,  ajuda dos “universitários” e tempo.

Outro jogo feito por ele é o do “Quem eu sou?”. Quando realizado entre um grupo de amigos, por exemplo, um pedaço de papel é colado na testa de cada participante, que deve fazer perguntas para descobrir quem é (celebridade, animal, objeto, comida, etc.). Já no modelo organizado por Linaldo, acontece o oposto: ele dá pistas e os alunos tentam adivinhar a que, no universo das Ciências Naturais, ele se refere. 

Quando possível, ele também faz uma experiência na sala e pede para os alunos explicarem porque determinado fenômeno científico aconteceu. “Com o aluno pensando e tentando aplicar a teoria, consigo ter uma visão mais completa da necessidade deles no momento. É possível entender não só se eles lembram dos conceitos, mas também se entendem de fato como acontecem na prática”, diz Linaldo.


Apesar de investir em jogos, ao longo de sua trajetória como educador, ele percebeu que as avaliações escritas não precisam ser evitadas a todo custo, mas devem ser mais dinâmicas. “A educação não precisa virar uma guerra entre tradicionalismo e modernidade. Não vejo a prova como um instrumento de avaliação supremo e infalível, mas os alunos precisam saber sentar e resolver uma prova porque isso também faz parte de outros momentos da vida”, diz o professor. 

Para atualizar a ideia tradicional existente em torno da palavra ‘prova’, ele sempre coloca questões com elementos cotidianos da vida ou do interesse dos alunos, como a cultura geek. Em alguns casos, apenas o fato de mudar o design de um slide adicionando um super-herói, por exemplo, já atrai o interesse.

Afinal, o que verificar?

Para garantir mais efetividade na avaliação diagnóstica, é preciso entender o que deve ser considerado para planejar essa ferramenta.

Olhar para trás

Os educadores concordam que, para planejar essa avaliação diagnóstica do início do ano, o professor deve levar em consideração as habilidades do ano anterior que são essenciais para o andamento do ano atual. Dessa forma, ele irá verificar o nível de entendimento dos alunos e direcionar o trabalho. 

Atenção no ‘aqui e agora’

Durante a avaliação diagnóstica, seja qual for o seu formato, é interessante observar como os alunos estão se comportando. O comportamento da turma pode revelar mais do que uma resposta certa ou errada. Eles ficam nervosos quando não sabem responder alguma pergunta? Trabalham bem em grupo para fazer o que foi pedido? Procuram modos alternativos de chegar ao resultado desejado? Elaboram uma resposta com os conhecimentos que têm, mesmo sabendo que ela não está completa?

O que quero para o futuro próximo

É impossível verificar tudo o que os alunos aprenderam no ano anterior durante uma avaliação diagnóstica. Além de estabelecer quais são as essenciais, planeje um diagnóstico focado no que você primeiro deseja trabalhar com eles. Outras avaliações diagnósticas com foco em outras questões podem ser realizadas depois. 

O que fazer depois do diagnóstico

Independentemente do seu formato, a avaliação diagnóstica deve ser utilizada como norte para guiar o trabalho pedagógico. Fernanda Nunes destaca um aspecto importante das avaliações diagnósticas. “É essencial pensar em como resultados serão utilizados. O diagnóstico visa recuperar os pontos identificados como críticos para a promoção de oportunidades de aprendizagem significativa”, explica a especialista.

Além do diagnóstico individual dos alunos e das turmas, as avaliações diagnósticas também permitem que professores e coordenadores criem projetos com abordagens e estratégias de ensino para as necessidades de toda a escola. 

“Quando os resultados são compartilhados entre os professores e organizados pela gestão, é possível ter uma visão geral de como a escola está para começar o ano. Se a avaliação revela necessidades críticas comuns a mais de uma turma e em mais de um ano, como dificuldade em interpretação de texto, a escola pode pensar em projetos maiores que atendam a uma demanda mais ampla”, sugere Fernanda. 

Ela diz também que os diagnósticos precisam acontecer no decorrer de todo o ano letivo. O professor deve averiguar como o aluno está se desenvolvendo em diversos momentos do processo de ensino e aprendizagem e também verificar a eficácia das estratégias pedagógicas que estão sendo utilizadas. Só assim é possível pensar em práticas realmente adequadas e redirecionar o planejamento quando for preciso. 


Seja qual for o componente curricular, o ano escolar ou o momento em que for feita, Fernanda salienta que avaliação não é sinônimo de prova escrita. “As competências da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) são muito amplas e precisamos pensar em como avaliá-las. Se estou focando em produção textual, eles precisam, sim, escrever; mas como eles se comunicam, onde pautam seu senso estético, de onde vem seu repertório cultural?”, questiona. “Diagnosticar tudo isso deixa o espaço mais autêntico e cria a sensação de pertencimento no estudante, que é muito necessária, impulsionando talentos e a diversidade”, complementa.

*Conteúdo publicado originalmente em 16/02/2022 e atualizado em 04/02/2024 para o acréscimo de informações após entrevistas com os professores Linaldo de Oliveira, Fernanda Nunes e Elisa Vilalta.

Continue Reading
Advertisement

Relógio

Grupo do Portal Informa Paraíba (Facebook)

Portal Informa Paraíba

Fiquem bem informados em um site que escreve notícias

TWITTER DO PORTAL INFORMA PARAÍBA

www.informaparaiba.com.br

Fiquem bem informados em um site que escreve notícias.

Página do Portal Informa Paraíba (Facebook)

Politíca34 minutos ago

Governo atendeu solicitação da deputada Paula Francinete e incluiu Cajazeiras na rota dos eventos agropecuário do estado

Internacional1 hora ago

Aumento da tensão entre Europa e Rússia: países da OTAN consideram o envio de tropas, enquanto Putin adverte sobre a situação

ENTRETENIMENTO2 horas ago

Alteração no horário: Lançamento do 2º FestincineJP 

AGRICULTURA & PECUÁRIA4 horas ago

Esperança renovada: projeto de lei garante acompanhamento humanizado para pacientes com câncer de mama na Paraíba

Educação & Cultura4 horas ago

Energisa e SENAI abrem seleção para curso gratuito de Programação Web para PcD

Segurança Pública5 horas ago

Senado debate a extensão do direito de portar armas para profissionais de segurança

Internacional5 horas ago

Restrições de acesso à ajuda humanitária em Gaza geram preocupação da ONU

Internacional5 horas ago

Unea-6 segue em Nairóbi com anúncio de prêmios a iniciativas para salvar o planeta

Internacional5 horas ago

Unea-6 e multilateralismo: Diversas vozes para consenso ambiental

Segurança Pública5 horas ago

Paraíba tem 73 cidades sem nenhum homicídio em 2023; Campina Grande e Santa Rita reduzem índices em 31% e 23%

ESTADO5 horas ago

Cedmex e NAF fecham para balanço nesta quinta-feira (29) e serviço ganha reforço no atendimento telefônico

Politíca14 horas ago

Léa Toscano deixa PSDB e afirma que vive um novo momento político

ESTADO14 horas ago

Governo da Paraíba lança Prêmio Paraíba Junina com R$ 2,4 milhões em investimentos

ESTADO14 horas ago

Governo da Paraíba convoca municípios para atualização do cadastro no Mapa do Turismo

Educação & Cultura15 horas ago

Cearte-PB reabre inscrições para cursos com vagas remanescentes

ECONOMIA15 horas ago

Números da Economia no Governo Lula

AGRICULTURA & PECUÁRIA15 horas ago

Centro de referência vai monitorar tecnologias para mitigar emissões da pecuária gaúcha

AGRICULTURA & PECUÁRIA15 horas ago

Açaí ganha o seu primeiro Zoneamento Agrícola de Risco Climático

AGRICULTURA & PECUÁRIA15 horas ago

Árvores no pasto melhoram ganho de peso, conforto térmico e reprodução dos animais

AGRICULTURA & PECUÁRIA15 horas ago

‘Governo precisa assumir que temos crise no agro’, diz Lupion

AGRICULTURA & PECUÁRIA15 horas ago

China derruba medida antidumping sobre carne de frango do Brasil

ECONOMIA16 horas ago

Quebra de safra pode gerar alta nos preços dos supermercados

CIDADE17 horas ago

Deputada de São Paulo: declara apoio a pré-candidatura de Jodson em Santa Rita

ECONOMIA18 horas ago

Governo não desiste de acabar com o saque-aniversário do FGTS e cogita medida provisória

Nacional18 horas ago

A Inabilidade de Lula em estabelecer diálogo com os líderes da América Latina gera impactos severos para os brasileiros

Nacional21 horas ago

A Polícia Federal mobilizou um grande efetivo para escutar o depoimento de Bolsonaro por se aproximar de uma baleia

Segurança Pública22 horas ago

Projeto prevê que qualquer pessoa pode ser considerada vítima do crime de violência psicológica

Segurança Pública22 horas ago

Projeto prevê até 5 anos de reclusão para quem incita animais contra pessoas

Segurança Pública22 horas ago

Projeto estabelece prioridades para repasse do fundo de segurança aos estados

Educação & Cultura22 horas ago

Projeto determina que representantes de pais de alunos nos conselhos do Fundeb sejam filiados a confederação nacional

Internacional7 meses ago

Cidade alemã passa a distribuir gratuitamente filtro solar

Internacional8 meses ago

IMPRESSIONANTE – GOVERNO CANADENSE ADMITE: “Os não vacinados estavam certos sobre as vacinas de mRNA”

Segurança Pública11 meses ago

IMAGEM FORTÍSSIMA: Vídeo mostra momento em que aluno mata professora a facadas

Judiciário9 meses ago

Escravizados

ENTRETENIMENTO8 meses ago

Exorcista: filme “Nefarious” é “o melhor já produzido” sobre possessão demoníaca

ENTRETENIMENTO7 meses ago

JIBÓIA

CIÊNCIA & TECNOLOGIA11 meses ago

DarkWeb, DeepWeb e DarkNet: qual a diferença?

CIÊNCIA & TECNOLOGIA11 meses ago

Como ver os Stories anonimamente no Instagram

Nacional7 meses ago

CNS reconhece religiões afro como complementares ao SUS

Segurança Pública11 meses ago

Adulteração de chassi de reboques está mais próximo de se tornar crime

Nacional11 meses ago

Advogado de Adélio Bispo recebeu R$ 315 mil do PCC, segundo inquérito da PF

Nacional12 meses ago

Parlamento português veta discurso de Lula em sessão solene da Revolução dos Cravos

ENTRETENIMENTO5 meses ago

Conheça Rocco, um cão mistura de rottweiler com husky siberiano: ‘Parece o Batman’

CIÊNCIA & TECNOLOGIA11 meses ago

Novo botão ágil do YouTube Music baixa até 200 músicas de uma vez

CIÊNCIA & TECNOLOGIA12 meses ago

Como recuperar mensagens apagadas do Instagram

CIDADE10 meses ago

Sapé: ex-candidato a prefeito Luizinho, vice e coligação são condenados a pagar R$ 300 mil por infringir norma eleitoral e sanitária

Nacional10 meses ago

Bomba: Alexandre de Moraes monitorava todos os passos de funcionários do gabinete de Bolsonaro e da primeira-dama desde 2021, diz Folha

CONCURSO E EMPREGO12 meses ago

João Pessoa abre vagas para cuidador voluntário com bolsa de R$ 700

AGRICULTURA & PECUÁRIA2 meses ago

Com produtor revisando tamanho da safra, 2024 inicia cercado de incertezas para a soja

ENTRETENIMENTO12 meses ago

Patrulha Canina ganha adaptação para o Teatro Pedra do Reino neste domingo(05)

Nacional11 meses ago

Exclusivo: imagens mostram baixo contingente de segurança no Planalto e atuação do GSI no 8 de janeiro

Nacional10 meses ago

Lira manda novo recado ao governo Lula: “grande resistência entre os parlamentares”

Judiciário6 meses ago

Informativo destaca não exigência de provas para fixação de indenização mínima por danos morais

Judiciário5 meses ago

Entender Direito: especialistas discutem os embargos de divergência

ENTRETENIMENTO12 meses ago

COMO ELIMINAR COCHONILHA DE RAIZ DE PLANTAS EM VASO

CONCURSO E EMPREGO2 meses ago

Carreiras em Extinção? Veja Quais Podem Sumir

ECONOMIA12 meses ago

Petrobras tem lucro recorde de R$188,3 bi em 2022 com alta do petróleo

Internacional2 meses ago

Secretário-geral da ONU condena atos criminosos no Equador

Internacional2 meses ago

Fome já é generalizada em Gaza, alerta ONU

ECONOMIA2 meses ago

Calendário do Bolsa Família 2024: saiba quando você vai receber

Saúde2 dias ago

VARIANTES DA DENGUE EM CIRCULA PELO BRASIL

Nacional2 dias ago

CENSO 2022: COLETA DE ESGOTO ATENDE 62% DOS BRASILEIROS

Educação & Cultura2 dias ago

ESCOLAS SUECAS REDESCOBREM LIVROS – E ALUNOS SE SURPREENDEM

ENTRETENIMENTO2 dias ago

BLOQUEIE AS PRAGAS

Saúde2 dias ago

AEDES AEGYPTI: MOSQUITO TRANSMISSOR DA DENGUE PODE INFECTAR PESSOAS DIRETAMENTE

CIÊNCIA & TECNOLOGIA3 dias ago

PETROBRAS: PROJETO PIONEIRO QUE SEPARA GÁS CARBÔNICO E PETRÓLEO NO FUNDO DO MAR

ECONOMIA3 dias ago

BRASIL REGISTRA ALTA DEPENDÊNCIA EM COMMODITIES NA ECONOMIA

ENTRETENIMENTO3 dias ago

TOMATE, PIMENTA E PIMENTÃO PLANTADOS COM O QUE IRIA PARA O LIXO

ECONOMIA3 dias ago

ECONOMIA DA SOLIDÃO: CRESCE MERCADO DE MAIS DE UM BILHÃO DE PESSOAS

Saúde3 dias ago

COMO ‘RECONFIGUREI’ MEU CÉREBRO EM SEIS SEMANAS

Saúde1 semana ago

DENGUE: PREOCUPAÇÃO EM ÁREAS RURAIS CRESCE COM DISPARADA DE CASOS

ECONOMIA1 semana ago

AUMENTO DE ARRECADAÇÃO E AJUDA PARA META FISCAL DO PAÍS

ECONOMIA1 semana ago

GOVERNO AVALIA LIBERAR UMA NOVA FORMA DE USO DO FGTS

Saúde1 semana ago

NOMOFOBIA: DEPENDÊNCIA DO USO DO CELULAR JÁ ATINGE IDOSOS

Saúde1 semana ago

DENGUE: INFECTOLOGISTA TIRA DÚVIDAS SOBRE VACINA, REPELENTES E SINTOMAS

Judiciário1 semana ago

CHEGOU A HORA DE COMBATER OS ULTRAPROCESSADOS NO BRASIL

CIÊNCIA & TECNOLOGIA1 semana ago

ENTRA EM VIGOR A LEI EUROPEIA QUE REGULAMENTA TODAS AS PLATAFORMAS DIGITAIS

ENTRETENIMENTO1 semana ago

PIERNIKI DOMOVE – A BOLACHA DE MEL POLONESA

ENTRETENIMENTO1 semana ago

PROJETO DE RESGATE À ARARAJUBA

ENTRETENIMENTO1 semana ago

CONHECI O CAVALO DE LAMPIÃO: A VERDADEIRA HISTÓRIA DO CAVALO NORDESTINO

ENTRETENIMENTO2 semanas ago

AS MÚSICAS QUE CONTAM A HISTÓRIA DE BERLIM

Saúde2 semanas ago

OS REMÉDIOS QUE NÃO SÃO INDICADOS PARA DENGUE

Educação & Cultura2 semanas ago

QUATRO ASPECTOS FASCINANTES DA VIDA DE PITÁGORAS (ALÉM DA MATEMÁTICA)

AGRICULTURA & PECUÁRIA2 semanas ago

EMBRAPA DESENVOLVE PESQUISA PARA COMBATE AO MOSQUITO DA DENGUE

Nacional2 semanas ago

O IMENSO DESERTO QUE ESTÁ NASCENDO NO BRASIL

Saúde2 semanas ago

Quer saber mais sobre vacinas obrigatórias? Confira este vídeo!

CIÊNCIA & TECNOLOGIA2 semanas ago

BENEFÍCIOS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL NO AGRO

Saúde2 semanas ago

DENGUE: COMBATER O MOSQUITO É ESSENCIAL; VEJA DICAS

Judiciário2 semanas ago

STF JULGA APLICAÇÃO DO CONCEITO DE ‘IDENTIDADE ECOLÓGICA’ E PREOCUPA ECOLOGISTAS

CIÊNCIA & TECNOLOGIA2 semanas ago

INCLUSÃO DO BIOGÁS NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

Advertisement
Advertisement

Vejam também